fbpx

300 legisladores estaduais ouvem Trump: eleições podem perder certificação

USA, EUA, eleições americanas, auditoria, fraudes, Donald Trump, Joe Biden


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, participou no sábado (2) de uma teleconferência do Zoom na qual falou para 300 legisladores estaduais. Eles ouviram do grupo de vigilância de integridade eleitoral sem fins lucrativos Got Freedom pedidos de análise das evidências de ilegalidade nos processos eleitorais de seus estados e que considerassem cancelar a certificação dos resultados do pleito presidencial do último 3 de novembro.

Convidado pelo ex-prefeito de Nova Iorque, Rudy Giuliani, o mandatário americano dirigiu a convocação por 15 minutos e falou sobre as batalhas do Arizona, Michigan, Wisconsin e Geórgia.

Entre os palestrantes constaram John Eastman, professor da Escola de Direito Chapman, Peter Navarro, assistente do Presidente para Comércio e Fabricação, John Lott, conselheiro sênior do Departamento de Justiça dos EUA, Phill Kline, professor da Escola de Direito da Liberty University, e o próprio Rudy Giuliani, que atua como advogado pessoal de Trump.

Phill Kline é porta-voz do Got Freedom? e atua como diretor do Projeto Amistad da Thomas More Society, um escritório de advocacia de interesse público de integridade eleitoral que está envolvido em litígios das eleições do ano passado.

Após a conferência os membros do grupo de vigilância comunicaram a imprensa que conduziram a “reunião nacional exclusiva (. . .) a pedido de legisladores estaduais de Michigan, Pensilvânia e Wisconsin, para revisar as extensas evidências de irregularidades e ilegalidade na eleição presidencial de 2020”.

Uma reunião semelhante está sendo programada em Washington, D.C. a pedido dos membros do Congresso”, observou o grupo.

Para quarta-feira (6) está programada uma sessão conjunta do 117º Congresso em Washington para determinar se aceitarão os resultados da reunião de 14 de dezembro do Colégio Eleitoral em que Joe Biden teria recebido 306 votos do Colégio Eleitoral contra 232 do atual presidente.

Para que cada Câmara realize separadamente um debate sobre a aceitação destes votos são necessárias objeções de apenas um membro da Câmara dos Representantes (equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil) e um membro do Senado, ou seja, um deputado e um senador.

O cenário é favorável a Trump neste ponto, pois mais de 30 deputados já adiantaram que farão objeções e, na semana passada, o senador Josh Hawley (R-Missouri) avisou que contestará publicamente a certificação.

No sábado (2), conforme noticiado pelo Terça Livre, 11 senadores republicanos se comprometeram a negar a certificação.

Eleições americanas: 11 senadores assinaram carta para rejeitar pleito fraudulento

Essas informações devem servir como um recurso importante para os legisladores estaduais, ao fazerem convocações para que as legislaturas estaduais se reúnam para investigar a eleição e considerem cancelar a certificação de seus resultados eleitorais estaduais”, disse Kline.

A integridade de nossas eleições é muito importante para ser tratada com arrogância, e os funcionários eleitos merecem ter todas as informações relevantes à sua disposição enquanto consideram se aceitam os resultados relatados das eleições de 2020, especialmente em estados onde o processo foi influenciado por interesses particulares”, acrescentou.

Conforme a declaração dele, as evidências discutidas incluem parcerias público-privadas sem precedentes que criaram um sistema eleitoral de duas camadas nos estados que determinaram o vencedor do Colégio Eleitoral. Financiadas por mais de US$ 400 milhões do fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, essas parcerias público-privadas buscaram aumentar a participação em redutos democratas enquanto diminuíram a participação em áreas conservadoras, violando as garantias constitucionais de devido processo e proteção igualitária.

O dinheiro privado pagava os salários dos trabalhadores eleitorais e financiavam a compra do equipamento eleitoral, mas vinham com condições rígidas para a realização das eleições nas jurisdições que aceitavam o dinheiro. Essas intervenções privadas foram auxiliadas pelas ações de funcionários públicos, que buscaram minar a transparência, lutaram contra os esforços para auditar os resultados, ameaçaram os legisladores com investigação e processo por questionarem os resultados relatados e, em alguns casos, até impediram fisicamente os legisladores estaduais de entrar no prédio do Capitólio para evitar que contestem a certificação eleitoral.

Uma comunicação enviada aos legisladores estaduais participantes após a apresentação resumiu o argumento do Professor Eastman durante a apresentação sobre os “imperativos constitucionais” específicos dos legisladores estaduais.

John Eastman afirmou que os legisladores estaduais têm o direito e o dever de:

  • Afirmar seu poder pleno;
  • Exigir que suas leis sejam seguidas conforme escritas;
  • Cancelar a certificação de resultados contaminados, a menos e até que suas leis sejam seguidas;
  • Insistir em ter tempo suficiente para se reunir, investigar e certificar os resultados de maneira adequada para garantir que todos os votos legais (mas apenas os votos legais) sejam contados.

A seguir, durante a reunião, Kline encorajou os legisladores estaduais a:

(…) Concordar em assinar uma carta conjunta dos legisladores estaduais ao vice-presidente Mike Pence para exigir que ele peça um atraso de 12 dias na ratificação da eleição, dando aos estados o tempo necessário para investigar mais a fundo a ilegalidade com que a eleição presidencial foi conduzida. Solicitamos também que você envie essa mensagem aos colegas legisladores para que também assinem a carta.

Ele acrescentou que “o representante Daryl Metcalfe (R-Pensilvânia), o senador Brandon Beach (R-Geórgia) e o representante Mark Finchem (R-Arizona) já escreveram uma carta ao vice-presidente Mike Pence para esse propósito restrito. Reunir-se para assinar uma carta conjunta é um passo vital – que você deve dar com confiança e solidariedade. Enviaremos a carta conjunta a todos os legisladores que nos contatarem em resposta a esta mensagem.”

As 1.400 páginas de evidências apresentadas aos legisladores estaduais na chamada podem ser vistas em got-freedom.org/evidence/.

Com informações do Breitbart.

Sobre o Colunista

Ricardo Roveran

Ricardo Roveran

Estudante de artes, filosofia e ciências. Jornalista, crítico de arte e escritor. Escrevo por amor e nas horas vagas salvo o mundo.

Twitter: @RicardoRoveran

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: