fbpx

Amazon remove de sua plataforma livro que critica ideologia gênero



A empresa de tecnologia Amazon, no último domingo (21), resolveu remover de sua plataforma de vendas – sem dar explicações – um livro que desmascara a ideologia de gênero.

O autor do livro “When Harry Became Sally: Responding to the Transgender Moment” (Quando Harry se tornou Sally: Respondendo ao Momento Transgênero, em tradução livre), Ryan Anderson garantiu que não foi notificado e que a empresa não deu nenhuma explicação sobre a remoção do seu livro na plataforma de vendas online.

“Espero que você já tenha comprado sua cópia, porque a Amazon acaba de remover meu livro ‘Quando Harry se tornou Sally: Respondendo ao momento transgênero’ de suas prateleiras cibernéticas”, escreveu Anderson em um tuíte.

Publicado há três anos, o livro argumenta que o impulso para encorajar pessoas, que se sentem de um “gênero diferente”, a se submeter a procedimentos de mudança de sexo é motivado por ideologia, e não por conselhos médicos sólidos. O estudo foi embasado pelo professor de política da Universidade de Princeton, Matthew Franck, que o revisou em 2018.

“Ryan T. Anderson escreveu o livro definitivo sobre o fenômeno transgênero – abrangendo medicina, psicologia, cultura, sociologia, direito e políticas públicas”, disse Franck. “Ao fazer isso, ele pode ter salvo as mentes e corpos – na verdade, as próprias vidas – de pessoas que ele nunca conhecerá.”

A ideologia de gênero se tornou um dos principais pontos de luta da esquerda. A ideologia aparentemente se encaixa no modelo das teorias críticas marxistas, que dividem a sociedade em “opressores” e “oprimidos”, com base em características como raça e “identidade de gênero”.

No mês passado, o presidente Democrata, Joe Biden, assinou uma ordem executiva encarregando o governo de redefinir todas as suas políticas e regulamentos relativos à “discriminação”, com base no sexo para incluir “identidade de gênero”.

A linguagem da ordem presidencial indica que esportes, banheiros e vestiários exclusivos para mulheres em instituições financiadas pelo governo federal, como escolas, deverão ser abertos a homens biológicos que se consideram mulheres e vice-versa.

Biden também coloca “identidade de gênero” na definição de discriminação sexual em ambientes de moradia, trabalho e saúde.

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: