fbpx

As reformas e privatizações geram força e riqueza para o cidadão

Fachada do Ministério da economia na Esplanada dos Ministérios


A desestatização de ativos públicos é passo fundamental para a ampliação de investimentos privados no país e a esperada geração de emprego e renda, garantias fundamentais do exercício livre da cidadania.

Nada movimenta melhor as relações de produção e de investimento do que a iniciativa privada, trabalhando sob regras funcionais e segurança jurídica.

Esses históricos ensinamentos estão na defesa da não intervenção estatal pregada e combatida ferozmente tanto por Frédéric Bastiat, economista francês do século XIX como pelo economista americano Murray Rothbard, este do século XX.

O modelo de privatização em linha com o do ocorrido no caso da MP da Eletrobrás, abertura de capital, via mercado, sem a participação do Estado, inibe a concentração de atividades econômicas e estimula o mercado de capitais. Além de atrair a possibilidade de captação junto aos diversos níveis de poupadores.

O Brasil deve aproveitar este momento político para firmar uma revisão estrutural da economia e de seu centralismo estatal para afastar-se definitivamente do modelo de colonialismo de Estado.

Sobre o Colunista

Carlos Dias

Analista político. Especialista em Política e Estratégia pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra. Escritor, Jornalista e Filósofo independente. Membro Honorário da Academia Brasileira de Filosofia. Membro do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos - CEBRES.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: