fbpx

Barr diz que a Rússia pode ser a responsável por ataque hacker a SolarWinds Orion



O procurador-geral William Barr disse nesta segunda-feira (21) que acredita que a recente campanha de hackers, envolvendo uma exploração do software de gerenciamento de rede SolarWinds Orion, foi perpetrada por russos.

Barr estava respondendo à pergunta de um repórter em uma entrevista coletiva sobre se ele concorda com a conclusão de que os russos estão por trás do hack e que tipo de resposta pode ser esperada por parte do Departamento de Justiça (DOJ) ou do FBI.

“Pelas informações que tenho, concordo com a avaliação do secretário Pompeo – certamente parecem ser os russos, mas não vou discutir além disso”, disse Barr.

O secretário de Estado Mike Pompeo disse, na sexta-feira (18), que as evidências coletadas até agora apontam que os russos estão por trás do hack.

“Não posso dizer muito mais, pois ainda estamos revelando exatamente o que é, e tenho certeza que parte permanecerá confidencial”, disse Pompeo no programa de rádio de Mark Levin.

“Mas basta dizer que houve um esforço significativo para usar um software de terceiros para essencialmente incorporar código dentro dos sistemas do governo dos EUA e agora aparecem sistemas de empresas privadas e empresas de governos em todo o mundo.”

“Este foi um esforço muito significativo, e acho que agora podemos dizer com bastante clareza que foram os russos que se envolveram nessa atividade”, disse Pompeo.

Hackers que exploraram uma atualização do software de gerenciamento de rede SolarWinds Orion acessaram várias agências governamentais dos EUA, incluindo os departamentos de Defesa, Estado, Segurança Interna, Energia, Tesouro e Comércio.

As vítimas da campanha de hacking estão entre 18.000 clientes da SolarWinds em todo o mundo que instalaram a atualização maliciosa.

O hack foi relatado pela primeira vez pela firma de segurança cibernética FireEye, ela própria um cliente da SolarWinds.

Considerado o maior hack já descoberto, ele levou o governo dos Estados Unidos a montar uma força-tarefa multidepartamental para responder à ameaça.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse hoje a CNBC que o hack afetou os sistemas não classificados do Departamento do Tesouro, mas o departamento não viu nenhum dano.

“Não vemos qualquer violação em nossos sistemas de classificados”, disse Mnuchin.

“Direi que a boa notícia é que não houve danos, nem vimos grandes quantidades de informação deslocadas.”

Mnuchin acrescentou que lidar com ameaças cibernéticas “tem sido um grande foco da administração e dentro do Tesouro, temos um grande grupo voltado para o ciberespaço”, acrescentando, “temos recursos muito necessários para trabalhar na proteção do setor financeiro”

A Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura (CISA) disse quinta-feira (17) que a campanha de hacking é maior que o que era conhecido anteriormente .

Os hackers obtiveram acesso backdoor de mais maneiras do que por meio do software SolarWinds.

“A CISA tem evidências de vetores de acesso inicial adicionais, além da plataforma SolarWinds Orion; no entanto, eles ainda estão sendo investigados ”, disse a CISA em um comunicado.

A Microsoft disse na quinta-feira que encontrou o software malicioso em seu sistema. A empresa disse que cerca de 30 dos clientes afetados estavam nos Estados Unidos.

Com informações: The Epoch Times.

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: