fbpx

Campanha presidencial venezuelana tem início com desconfianças, presentes e promessas



O presidente venezuelano Nicolás Maduro iniciou sua campanha presidencial com a distribuição de caminhões de lixo e de tratores, além de um ritual xamânico, depois do qual prometeu tirar a economia venezuelana do atoleiro em que está. Já o opositor Henri Falcón apresentou planos para desestatizar a petroleira PDVSA e dolarizar a economia do país. Os eleitores venezuelanos estão desanimados com o caos econômico sem precedentes, o que deve ocasionar um alto índice de abstenções de voto, prejudicando justamente o candidato de oposição (o ex-militar e governador Falcón). O candidato de oposição pede que a população supere a desconfiança e vote.

Enquanto isso, a Igreja Católica no país pede o adiamento das eleições, advertindo que, na presente situação, elas poderiam ocasionar uma catástrofe humanitária. A Igreja argumenta que as eleições não oferecem “garantias suficientes” para ser confiáveis, e pediu ao governo que enfrente “sem mais demora” a escassez de alimentos, de medicamentos, e a hiperinflação que acomete o país. Maduro e funcionários de alto escalão do governo desqualificam os pedidos da Igreja, alegando que esta atua como “um partido de oposição”.

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: