fbpx

Celso de Mello tira recurso de Bolsonaro do plenário virtual



Celso de Mello, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu retirar nesta terça-feira (29), do plenário virtual, o julgamento sobre a possibilidade de o presidente Jair Bolsonaro depor por escrito.

O presidente é investigado por suposta interferência na Polícia Federal depois de denúncia do ex-ministro Sergio Moro.

Anteriormente, o decano determinou que Bolsonaro depusesse presencialmente. O juiz do STF argumentou que o depoimento por escrito só é permitido aos chefes dos Três Poderes da República que figurem como testemunhas ou vítimas.

Em 2018, o então presidente Michel Temer pôde usufruir do benefício para se defender no caso dos portos.

Celso de Mello é o relator do inquérito no STF, mas estava afastado por uma licença médica desde o dia 19 de agosto – ele retomou o trabalho na última sexta (25). No mesmo dia, o ministro divulgou que decidiu antecipar sua aposentadoria para o dia 13 de outubro.

A Advocacia-Geral da União recorreu em nome de Bolsonaro e, durante a licença médica de Mello, o relator substituto Marco Aurélio levou o julgamento do recurso para plenário virtual, em que não há debate entre os ministros da Corte e cada um inclui seu voto no sistema eletrônico do STF.

Contudo, ao retornar ao trabalho, Celso de Mello contrariou o colega e sustentou: “Ele não tem mais poderes, na condução do feito, do que aqueles incluídos na esfera de competência do relator natural”. O ministro também observou que Moro poderá formular perguntas a Bolsonaro.

Com informações: Revista Oeste

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...