fbpx

CEO do Twitter diz que banir Trump abre precedentes perigosos

Drew Angerer / Getty Images


O presidente-executivo do Twitter, Jack Dorsey, disse nesta quarta-feira (13) que banir o presidente Donald Trump da plataforma após o ocorrido no Capitólio dos Estados Unidos foi a “decisão certa”, mas abre um “precedente perigoso”.

Trump foi banido da rede social por supostamente incitar “mais violência” após a invasão do prédio. O presidente tinha mais de 88 milhões de seguidores.

“Ter que tomar essas medidas fragmenta a conversa pública”, disse Dorsey no Twitter. “Eles nos dividem. Eles limitam o potencial de esclarecimento, redenção e aprendizado. E estabelece um precedente que considero perigoso: o poder que um indivíduo ou empresa tem sobre uma parte da conversa pública global”.

Dorsey disse que não comemora nem sente orgulho de ter banido Trump, mas que a decisão foi tomada com base nas “melhores informações que tinham sobre ameaças à segurança física dentro e fora do Twitter. Isso estava correto?”, questionou o CEO do Twitter.

“Acredito que essa foi a decisão certa para o Twitter. Enfrentamos uma circunstância extraordinária e insustentável, que nos obrigou a focar todas as nossas ações na segurança pública”, afirmou.

Mesmo assim, Dorsey acrescentou: “Embora haja exceções claras e óbvias, acho que uma proibição é uma falha nossa em promover uma conversa saudável”.

Veja o

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

Esposa, jornalista, tupãense e católica. 23 anos.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: