fbpx

China, Rússia e Coreia do Norte enfrentam profundas crises internas



A crise do coronavírus vem afetando de maneira drástica a economia de países em todo o mundo.

Em algumas nações, a situação tornou-se ainda mais insustentável após intensificação de duras medidas impostas pelo estado, o que sempre foi realidade em regimes como Rússia, China e Coreia do Norte.

Entretanto, governantes destes países só não esperavam que a crise também os afetaria, e não somente a seu povo.

A China vem passando por duros conflitos internos e também internacionais. Dentre eles, a crise que vem afetando a produção e grãos de arroz, em que 70% dos arrozais estão alagados. De acordo com a Agência Embrapa de Informação e Tecnologia( AGEITEC), na Ásia, concentram-se os oito maiores produtores mundiais de arroz.

O país asiático ocupa o 1º lugar e contribui com uma produção equivalente a 28% da mundial.

Contudo, a produção dos grãos está quase toda destruída, o que provoca uma intensa baixa na economia.

Outro problema enfrentado pelos chineses são os conflitos com os Estados Unidos, que se intensificaram após a pandemia do vírus chinês.

Donald Trump acusa Pequim de ter omitido dados sobre a crise do vírus. Os EUA e o Reino Unido chegaram a banir de seus territórios, a empresa de tecnologia Huawei .

O banimento da empresa chinesa dos EUA aconteceu após um estudo descobrir que funcionários da Huawei já trabalharam para o governo da China em áreas estratégicas, como o Ministério da Segurança de Estado, e em projetos do Exército. Alguns estudaram na academia militar e atuaram nas unidades ligadas a ataques cibernéticos a multinacionais americanas.

Rússia também entra em crise 

De acordo com o site de notícias Publico.pt, a Bielorrússia está mergulhada na mais grave crise política dos últimos anos, abalando a governação do Presidente Alexander Lukashenko. Os conflitos ocorreram após milhares de pessoas participarem  do funeral de um  manifestante que foi morto.

Alexander Taraikovski, de 34 anos, morreu no decurso de um protesto contra os resultados das eleições presidenciais, consideradas fraudulentas.

As autoridades detiveram quase sete mil pessoas durante os protestos e, diz a imprensa internacional, têm usado violência indiscriminada contra os manifestantes, inclusive contra os detidos, que mostram sinais de espancamentos e tortura no corpo.

Ainda de acordo com o site, o Presidente bielorrusso telefonou no sábado a Putin para lhe dizer que os protestos “deixaram de ser apenas uma ameaça para a Bielorrússia” e se tornaram uma ameaça para toda a região, pedindo ajuda para enfrentar a crise política, apesar antes ter afirmado não precisar da ajuda de governos estrangeiros.

Os apelos a uma intervenção armada russa na Bielorrússia parecem ganhar força. Uma das vozes a pedir a invasão foi a de Margarita Simonyan, diretora da Russia Today, próxima do Kremlin. “Chegou a hora das ‘pessoas educadas’ restaurarem a ordem como puderem”, escreveu no Twitter.

Coreia do Norte confisca cães de estimação que podem servir de alimento

Segundo informações do jornal o tempo, a Coreia do Norte, comandada pelo ditador Kim Jong-un, estaria confiscando cães de estimação para vender a zoológicos ou restaurantes. A informação é do jornal inglês Daily Mail, que citou fontes do jornal sul-coreano Chosun Iblo – a imprensa da Coreia do Norte é fortemente controlada pelo governo.

As publicações ainda afirmam que, em julho, Kim Jong-un anunciou que ter cachorro como animal de estimação agora é contra lei. Para ele, os animais são um símbolo da decadência capitalista. “As autoridades identificaram famílias com cães de estimação e estão forçando-os a desistir deles ou confiscando-os à força e abatendo-os”, pontuou o Daily Mail, citando uma fonte do jornal Chosun Ilbo.

O jornalista Allan dos Santos, fundador do Terça Livre, afirma que isso coloca os três países (sobretudo a China) em uma rua sem saída, forçando-os a tomar ações desesperadas: inventando vacina para diminuir a população, incitando conflito nos países onde eles têm negócios.

O foco agora é derrotar Trump para salvar a economia chinesa. A China tem mais de UM TRILHÃO de dólares no tesouro americano e tentará forçar Trump a não agir de forma agressiva contra Huawei.

Em sua conta no Twitter, Allan registrou a seguinte thread:”Até Novembro, haverá uma guerra comercial sem misericórdia. Trump terá de lidar com o Partido Comunista Chinês, os Democratas e os Republicanos que não o ajudam em nada. Isso soa familiar para você”

Confira aqui: https://twitter.com/allanldsantos

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: