fbpx

Com escassez de alimentos, norte-coreanos devem entregar cães aos restaurantes

Kim Jong-un 2


Kim Jong-un declarou que os cães de estimação são um símbolo da “decadência” capitalista e ordenou que os cães em Pyongyang sejam recolhidos – e os proprietários temem que seus amados animais de estimação estejam sendo usados ​​para resolver a escassez de alimentos no país. 

O ditador Kim anunciou em julho que ter um animal de estimação agora é contra a lei, afirmando que ter um cachorro em casa é “uma tendência contaminada da ideologia burguesa”.

“As autoridades identificaram famílias com cães de estimação e estão forçando-as a desistir deles ou confiscando-os à força e abatendo-os”, disse uma fonte ao jornal sul-coreano Chosun Ilbo. “Alguns dos cães são enviados para zoológicos estatais ou vendidos para restaurantes de carne de cachorro”. 

A carne de cachorro há muito é considerada uma iguaria na Península Coreana, embora a tradição de comer cães esteja desaparecendo gradualmente na Coreia do Sul.

Ainda assim, cerca de 1 milhão de cães são criados em fazendas para serem consumidos todos os anos no sul.

O melhor amigo do homem ainda é um grampo no menu do Norte, no entanto, com vários restaurantes dedicados a cães em Pyongyang.

A carne de cachorro é mais popular nos meses quentes e úmidos do verão, pois acredita-se que forneça energia e resistência.

Sendo carne de porco e de vaca um luxo quase inédito para a maioria das pessoas comuns, o abate dos cães de Pyongyang pode ter o objetivo de matar a fome nos próximos meses.

Um relatório recente da ONU afirmou que cerca de 60% dos 25,5 milhões de habitantes da Coréia do Norte estão enfrentando “escassez generalizada de alimentos”, que foi agravada por sanções internacionais impostas ao regime por seus programas de mísseis nucleares.

A proibição de animais de estimação também foi uma surpresa para muitos residentes de classe média de Pyongyang, que começaram a criar cães depois que o regime tentou melhorar sua imagem na corrida para o Festival Mundial de Jovens e Estudantes de 1989.

O país enfrenta uma escassez generalizada de alimentos, agravada pela decisão de fechar a fronteira com a China devido ao coronavírus. Pequim é tradicionalmente o principal apoiador de Pyongyang e a fonte de grande parte dos alimentos necessários para alimentar o povo norte-coreano.

Com informações, Mail Online

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: