fbpx

Comitiva vai aos EUA conhecer redes privativas de 5G



O Ministério das Comunicações, liderado pelo ministro Fábio Faria, enviará uma comitiva aos Estados Unidos, no próximo domingo (6), para estudar as redes privativas de 5G do país norte-americano. O encontro também visa sondar potenciais investidores do setor de telecomunicações. 

A quinta geração de internet (5G) é uma tecnologia que promete revolucionar a conectividade global. No Brasil, o governo federal planeja implementar a tecnologia 5G Stand Alone, que é conhecida por ser 100 vezes mais rápida do que a quarta geração de internet (4G). 

“Mas não é só velocidade. A internet 5G vai conectar coisas. É a famosa Internet das Coisas, por meio da qual teremos aumento muito grande no agronegócio, na telemedicina, no setor automotivo, na segurança, nos investimentos nas escolas e na educação”, apontou o ministro das Comunicações.

“A próxima década será a década do 5G. Com isso precisaremos de muito investimento”,  afirmou Faria. 

A missão oficial, que inicia do domingo (6) e termina na sexta-feira (11), contará com a participação de representantes da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República; do Gabinete de Segurança Institucional (GSI); da Agência Brasileira de Inteligência (Abin); do Ministério da Defesa; da Secretaria-Geral da Presidência; do Tribunal de Contas da União; além dos senadores Ciro Nogueira (PP-PI) e Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Com o leilão previsto para julho deste ano, Fábio Faria informou que a viagem com os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) foi a solução encontrada para viabilizar o leilão no tempo previsto. Segundo Faria, a previsão é que todas as 27 capitais do Brasil tenham acesso ao 5G já em 2022, com o prazo de instalação total até 2028.

O TCU, por sua vez, exige ao governo federal novas informações sobre a exigência feita pelo Executivo para que as empresas forneçam uma rede privativa para o governo, com o objetivo de ampliar a segurança das comunicações do Estado brasileiro.

Durante a viagem, a comitiva brasileira pretende visitar a rede privativa do Departamento de Defesa dos EUA, além de órgãos do serviço de inteligências do país, como a CIA e o FBI. A comitiva também irá se reunir com executivos de empresas de telecomunicações norte-americanas e de fundos de investimentos.

“Vamos ao Departamento de Segurança Interna, que é quem faz todo o controle de fronteiras e de ataques cibernéticos nos EUA”, disse Faria, ressaltando que somente esse departamento dos EUA possui seis redes privativas.

“Vamos também falar com o Department of National Inteligency, que é a diretoria de inteligência equivalente ao nosso GSI, responsável por coordenar as atividades de inteligência norte-americanas, e à FCC, que é a comissão federal de comunicações, equivalente à nossa Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações]”, acrescentou.

Ainda estão previstas reuniões com investidores e no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). “No setor privado, vamos a várias empresas e conversaremos com seis fundos de investimentos, bancos e com consultorias. Outros membros da comissão participarão de outros encontros com o FBI e com a CIA”, completou.

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: