fbpx

Confronto entre Antifa e Proud Boys deixa pelo menos 4 esfaqueados e 23 presos em Washington



Quatro pessoas foram esfaqueadas e policiais ficaram feridos na noite deste sábado, 12, durante confrontos entre diferentes grupos de manifestantes em Washington DC.

Os violentos confrontos ocorreram entre membros da Antifa do Proud Boys, criado pelo libertário Gavin McInnes.

Ambos os grupos têm atraído regularmente a atenção da mídia, envolvidos em encontros violentos entre si.

Autoridades de DC disseram à mídia local que quatro pessoas foram esfaqueadas no cruzamento da 11th Street com a F Street no centro de DC, perto do Black Lives Matter Plaza. Todos os quatro indivíduos foram enviados ao hospital com ferimentos graves, relatou WUSA9, de acordo com a Epoch Times.

O Departamento de Polícia Metropolitana também disse a repórteres que pelo menos 23 indivíduos foram presos, sendo seis por agressão a um policial, 10 por agressão simples, quatro por motim, um por porte de taser e dois por cruzar uma linha policial.

Não está claro quais indivíduos foram presos pelas autoridades, mas vídeos de repórteres no local mostram supostos manifestantes do Proud Boys presos e escoltados para dentro de vans da polícia.

Os vídeos também mostram que um dos indivíduos esfaqueados era um suposto manifestante do Proud Boys. Ainda não está claro quem são as outras vítimas de esfaqueamento.

No início deste sábado, dezenas de milhares de apoiadores do presidente Donald Trump marcharam pelas ruas de Washington pedindo integridade na eleição presidencial de 2020 na segunda “Million Maga March”.

Nas últimas semanas, um número considerável de testemunhas oculares, denunciantes e especialistas se apresentaram para depor sobre casos de irregularidades eleitorais relacionadas à eleição presidencial de 2020.

Trump, sua campanha e terceiros, entraram com vários processos em tribunais estaduais e federais, em uma tentativa de invalidar os resultados das eleições até que as alegações de fraude sejam tratadas de forma transparente e independente.

De acordo com depoimentos de testemunhas e especialistas, é possível que uma proporção significativa de votos tenha sido lançada e contada em violação aos códigos eleitorais estaduais e à Constituição dos Estados Unidos.

Muitos desses casos foram rejeitados por juízes por razões processuais, como a falta de legitimidade – ou o direito – de iniciar uma ação; discutível, onde não há mais polêmica entre as partes; e quando um juiz considerou haver falta de diligência na propositura da ação.

Um desses casos, o do Texas, foi aceito na Suprema Corte dos Estados Unidos no início desta semana. O estado do Texas pediu permissão ao tribunal superior para processar a Pensilvânia, a Geórgia, o Michigan e o Wisconsin por alegações de que violaram a constituição e trataram os eleitores de forma injusta na forma como lidaram com as eleições gerais de 2020.

O tribunal superior do país proferiu na sexta-feira uma ordem rejeitando o pedido do Texas, citando a falta de legitimidade legal para processar. As provas do caso não foram consideradas no tribunal que tomou a sua decisão.

Durante a marcha de sábado, grupos de partidários de Trump se reuniram em frente à corte máxima do país como parte de sua manifestação.

Os dois grupos também entraram em confronto à noite após o primeiro “Million MAGA March”.

O grupo Proud Boys foi descrito como um grupo de “extrema-direita”. Os princípios básicos do grupo enfocam governo mínimo, direitos individuais, fronteiras fechadas, empreendedorismo e família tradicional.

Gostam de desafiar o politicamente correto e proclamar a cultura ocidental como a melhor do mundo, de acordo com seu grupo no Facebook, que já foi retirado do ar.

Os membros do grupo prometeram lutar contra a Antifa, que é um grupo pró-comunista. Membros da Antifa são conhecidos por rotular partidos e indivíduos que não se alinham com sua ideologia como “fascistas” para justificar o uso da violência contra eles.

Os membros da Antifa frequentemente aparecem em liberdade de expressão e comícios pró-presidente Donald Trump em um esforço para fechá-los e se envolver em atividades violentas.

Trump já havia condenado tanto Proud Boys, quanto Antifas.

Com informações, Epoch Times

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: