fbpx
Polícia Federal

Covidão: PF cumpre 60 mandados de prisão



 

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira (18) a segunda fase da Operação SOS, que investiga o desvio de recursos destinados ao combate da pandemia do coronavírus no Pará. As investigações mostram desvios que superam R$ 1,2 bilhão.

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão nos estados do Pará, Amazonas, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, São Paulo e Rio de Janeiro.

Segundo as investigações, o governo estadual do Pará repassava verbas às Organizações Sociais contratadas, que subcontratavam empresas para prestarem serviços, prática conhecida como “quarteirização”.

Esses serviços subcontratados eram superfaturados ou nem eram prestados, o que fazia com que a verba voltasse para os integrantes da organização criminosa através de um esquema de lavagem de dinheiro.

Em resposta, o governo do Pará disse que não é alvo da operação e que “rompeu com as Organizações Sociais com as quais não mantém mais nenhum contrato”.

O analista político Italo Lorenzon relembrou no Boletim da Manhã dessa quarta-feira (18) o contexto de tudo o que gerou mais essa operação.

“Esse é mais um exemplo do chamado ‘Covidão’. Já falei isso desde o começo, o esquema é todo montado, você teve atribuição a governadores e prefeitos do poder de decretar estado de emergência à revelia de qualquer coisa, o estado de emergência foi mantido através de mecanismos de controle social que deixavam as pessoas ainda mais histéricas”, ressaltou.

O analista político Carlos Dias explicou o conceito de “quarteirização”.

Assista aos comentários da notícia:

Sobre o Colunista

Redação

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: