fbpx

‘É o mecanismo de controle pelo medo’, alerta pesquisador sobre Anuário de Segurança Pública



O Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), publicou neste domingo (18), no próprio site, o Anuário de Segurança Pública. Trata-se de um estudo anual que é publicado periodicamente pela instituição.

O dados divulgados pelo Fórum repercutiram em toda a imprensa brasileira nesta segunda-feira (19).

Estes dados influenciam, principalmente, as secretarias municipais e estaduais de segurança pública, já que ONG’s como a FBSP tornaram-se braços auxiliares do Ministério da Justiça em governos anteriores, como explicou o pesquisador em segurança pública, Fabrício Rebelo no Boletim da Manhã desta segunda-feira (17).

Ele alertou para o viés ideológico transmitido pelas pesquisas desenvolvidas por organizações não governamentais.

“Essas ONG’s produzem seus estudos demonstrando indisfarçado viés ideológico, um direcionamento para aquilo que querem enaltecer. Essas publicações guiaram por muitos anos o Ministério de Justiça e Segurança Pública (MJSP) e, a partir disso, determinavam o que se faria em outros estados. Os focos eram determinados a partir destes estudos e isso não foi desfeito”, disse.

De acordo com ele, mesmo sem chancela oficial do MJSP, a influência destas pesquisas é mantida através da mídia, que faz com que haja no indivíduo um questionamento da política de segurança pública adotada pelo governo.

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública é uma das organizações apoiadas pela Open Society Foundation, do globalista George Soros.

Além disso, o diretor-presidente do Fórum é Renato Sérgio de Lima que tem um blog no jornal Folha de São Paulo.

Em uma publicação de 2018, ele escreveu o artigo “A democracia sob eventual governo de Bolsonaro”. Renato Sérgio de Lima escreve que o “pânico moral” e a “violência” se transformaram em fortes cabos eleitorais do então candidato Jair Bolsonaro.

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública possui ainda uma newsletter, a “Fonte Segura”, que é semanal por assinatura.

Um dos artigos, assinados por Ivan Contente, ativista do instituto Sou da Paz, faz uma reflexão sobre a compra de metralhadoras de guerra de Bandeira de Israel pela ROTA: “A Rota precisa de uma metralhadora de guerra?”. Em outra publicação, ele defende o controle de armas para reduzir a violência.

ONG’s internacionais e a segurança pública

Visivelmente contra políticas de defesa pessoal da população por meio de armas, organismos internacionais têm influência histórica na segurança pública brasileira e, de acordo com Fabrício Rebelo, o propósito implementar uma agenda controle da população por esta mesma via.

“É o mecanismo de controle pelo medo. Existe uma manipulação informativa a partir de premissas de controle social, derivados a partir de uma dependência maior do indivíduo em relação ao estado, sobretudo ao que diz respeito à segurança pública. Ou seja, cria-se a dependência total do indivíduo para ter um pequeno nível de segurança provido exclusivamente pelo estado, o que permite que haja uma interferência cada vez maior do estado no cotidiano do indivíduo”, explica. “Aterrorizado, o cidadão cede mais facilmente às interferências estatais porque entende que aquilo é uma troca para obter qualquer tipo de segurança”, acrescenta Rabelo.

Assista ao Boletim da Manhã e veja a entrevista completa:

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

Bruna de Pieri

Esposa, jornalista, tupãense e católica. 23 anos.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: