fbpx

Eleitores republicanos de 4 estados consideram alegações de fraude e votam em Trump

(Patrick Semansky / AP Photo)


Diante de alegações de fraude nas eleições americanas, eleitores republicanos da Pensilvânia, Geórgia, Nevada e do Arizona disseram que votaram em Donald Trump para a presidência nesta segunda-feira (14).

O Partido Republicano da Pensilvânia disse em um comunicado à imprensa que os eleitores se reuniram em Harrisburg para “lançar voto condicional” para Trump e Pence “a pedido da campanha de Trump”.

A votação ocorre enquanto os eleitores democratas votaram no Colégio Eleitoral da Pensilvânia para os democratas Biden e Harris, informou a Epoch Times.

O Partido Republicano da Pensilvânia citou a eleição presidencial de 1960 entre Richard Nixon e John F. Kennedy, que se tornaria o eventual vencedor.

“Fizemos essa votação processual para preservar quaisquer reivindicações legais que possam ser preservadas no futuro”, disse o presidente da campanha do Pennsylvania Trump, Bernie Comfort, em um comunicado à imprensa.

Na Geórgia, David Shafer, presidente do Partido Republicano da Geórgia, disse que os eleitores agiram hoje porque o “processo do presidente contestando a eleição da Geórgia ainda está pendente”.

“Os indicados republicanos para o Eleitor Presidencial se reuniram hoje ao meio-dia no Capitólio do Estado e deram seus votos para presidente e vice-presidente”, disse Shafer em uma postagem no Twitter .

“Se não tivéssemos nos reunido hoje e dado nossos votos, a disputa eleitoral pendente do presidente teria sido efetivamente debatida. Nossa ação hoje preserva seus direitos sob a lei da Geórgia. ”

A mesma coisa foi feita em Nevada, com os eleitores republicanos do estado votando em Trump e Pence. Em uma postagem no Twitter do partido Republicano de Nevada, eles declararam “História feita hoje”.

E os eleitores presidenciais republicanos do Arizona também votaram em Trump e Pence.

Os votos do Colégio Eleitoral são lançados em 14 de dezembro, antes de serem contados em 6 de janeiro, durante a Sessão Conjunta do Congresso, quando a Câmara dos Representantes e o Senado se reúnem.

O conselheiro da Casa Branca Stephen Miller disse à Fox News hoje que grupos alternativos de eleitores estavam sendo escolhidos em vários estados, alegando que isso levaria à reeleição de Trump.

“A única data na Constituição é 20 de janeiro. Portanto, temos tempo mais do que suficiente para corrigir o erro desse resultado eleitoral fraudulento e certificar Donald Trump como o vencedor da eleição”, disse Miller em “Fox & Friends”.

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: