fbpx

EUA: Juiz declara suspeição e deixa caso de auditoria eleitoral no Arizona

Ross D. Franklin/AP Photo


O juiz do Tribunal Superior do condado de Maricopa, Christopher Coury, deixou o caso da auditoria eleitoral do Senado do Arizona após declarar proximidade com um dos advogados da ação, Chris Viskovic.

De acordo com uma cópia da recusa, o tribunal recebeu pedidos às 16h de ontem (25) e incluía o nome de um dos novos advogados da ação, Chris Viskovic, que trabalhou no escritório de Coury “nos últimos cinco anos.”

O advogado Chris Viskovic é atualmente associado júnior no Kolodin Law Group PLLC, que está representando a empresa de segurança cibernética Cyber ​​Ninjas.

A empresa é uma das contratadas pelo Senado estadual para realizar a auditoria dos votos, marcada para esta segunda-feira (26).

A averiguação dos votos teve início no dia 19 de abril, no entanto, foi suspensa pelo juiz Christopher Coury, após pedidos dos democratas.

De acordo com o jornal The Epoch Times, os democratas do Arizona entraram com um pedido de emergência para bloquear a auditoria no dia 22 de abril. Coury então teria concedido o pedido no dia seguinte, caso o partido pagasse uma fiança de US $1 milhão.

Os democratas, no entanto, se recusaram, e a auditoria não foi interrompida.

Nos dias seguintes, Christopher Coury declarou que precisaria ouvir as argumentações dos democratas sobre o processo de exames dos votos e que o processo seria retomado ontem (26).

A saída de Coury do caso segue o código de conduta judicial do estado e as regras da Suprema Corte do Arizona.

O juiz Daniel Martin foi escolhido como substituto de Christopher Coury na audição dessa segunda-feira.

As empresas contratadas pelo Senado estadual estão examinando cerca de 2,1 milhões de cédulas, testando urnas eletrônicas, procurando violações de TI e realizando uma contagem manual, para verificação de possíveis fraudes na eleição de 2020.

Espera-se que um relatório sobre as constatações da auditoria seja divulgado em cerca de dois meses.

O assunto foi comentado durante o Radar da Mídia dessa segunda-feira.

Ao analisar a declaração de suspeição do juiz norte-americano, o jornalista e analista político Paulo Figueiredo relembrou algumas atuações do Supremo Tribunal Federal (STF).

Esse cenário onde o juiz Christopher Coury se declarou suspeito, no Brasil, seria “um ‘deixa para lá’ no STF”, pontuou.

Sobre o processo de auditoria, Figueiredo relembrou o cenário da eleição de 2020 no Condado, o que motivou o processo realizado pelo Senado Estadual.

“Muita gente me pergunta sobre essa contagem do condado de Maricopa, que é o maior condado do Arizona. Eles estão fazendo uma auditoria, primeiro porque a eleição foi decidida por um número muito pequeno de votos, e segundo porque é um condado tradicionalmente republicano e não se via uma força da propaganda eleitoral do Joe Biden, mas o Arizona foi decisivo eleitoralmente para os democratas”, explicou Paulo Figueredo.

O jornalista, que hoje mora nos Estados Unidos, disse ainda que após a contagem dos votos no Condado, apareceram muitas cédulas “em cima da hora” com votos para o Partido Democrata. “Locais onde se tinha uma presença maior de fiscais eleitorais democratas tiveram uma votação expressiva muito grande em favor do Joe Biden, isso aconteceu pelo país inteiro, mas no Arizona os republicanos controlam as duas Casas e o governo estadual. Então, resolveram passar essa história a limpo”, declarou.

Paulo Figueiredo ainda evidenciou que no Arizona a população tem demandado que os seus representantes façam a revisão do resultado eleitoral.

“A população do Arizona não está aceitando o resultado da eleição, assim como quase metade dos EUA, que acredita que o presidente Biden foi eleito de forma ilegítima, como mostram as pesquisas”, destacou.

Para o jornalista, o processo pode não influenciar diretamente o atual governo dos democratas na Presidência, mas pode gerar um novo cenário eleitoral para a próxima disputa pela Presidência do país.

Além da empresa de segurança cibernética Cyber ​​Ninjas, as outras empresas contratadas pelo Senado estadual para conduzir a auditoria são a Wake Technology Services, CyFIR e Digital Discovery.

Com informações: Epoch Times.

ASSISTA AO RADAR DA MÍDIA DESSA SEGUNDA-FEIRA (26):

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: