fbpx
Vacina, licitação, medida provisória, bolsonaro

Governadores podem ter deixado cidadãos receberem vacinas vencidas



 

Segundo informações de registros oficiais do Ministério da Saúde, ao menos 26 mil brasileiros foram vacinados com doses vencidas da vacina AstraZeneca. Devido à possível má gestão dos governadores, a proteção contra a Covid-19 desses brasileiros ficou comprometida. A informação foi divulgada nessa sexta-feira (2).

Os dados do órgão de Saúde apontam que, até o dia 19 de junho, as doses vencidas foram utilizadas em 1.532 municípios brasileiros. Dentre esses, os estados que mais aplicaram os imunizantes fora do prazo de validade foram Paraná, Pará, São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia.

De acordo com a Folha de São Paulo, os governadores estaduais deixaram de utilizar outras 114 mil doses da vacina AstraZeneca, atualmente já vencidas, mas que foram distribuídas a estados e municípios pelo governo federal dentro do prazo de validade. Não está claro se foram descartadas ou se continuam sendo aplicadas.

Maurício Costa apontou durante o Boletim da Noite de sexta-feira (2) que a esquerda vem inventando crimes sobre o governo federal e, ainda, criam a sensação de que algo assim realmente aconteceu devido ao presidente Bolsonaro.

“O pior de tudo é ver a esquerda tentar colar a narrativa de que o governo federal enviou essas vacinas já vencidas para os estados e municípios”, ressaltou o fundador do Movimento Brasil Conservador (MBC).

Assista aos comentários da notícia:

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: