fbpx

Juiz da Suprema Corte americana dispara contra Big Techs: ‘É sem precedente o controle de liberdade’



O juiz da Suprema Corte Americana, Clarence Thomas, advertiu as empresas de mídia social nesta segunda-feira (5) sobre o que considerou ser um “controle de liberdade sem precedentes” contra os usuários. 

A declaração do juiz escrita em um documento de 12 páginas foi feita durante a discussão de um processo do tribunal federal de apelações que acusava o ex-presidente Donald Trump de ter agido de forma ilegal ao bloquear seus críticos no Twitter.

O tribunal alegava que a atitude de Trump impedia os cidadãos de participar de um fórum público, violando os seus direitos à liberdade de expressão previstos na Primeira Emenda da Constituição americana.

Clarence Thomas concordou que, de fato, a conta de Trump era um espaço público, não cabendo ao ex-presidente o bloqueio de usuários.  Por outro lado, pontuou que qualquer tipo de controle que Trump tenha exercido era irrelevante comparado com a autoridade do Twitter de remover a conta “por qualquer ou nenhum motivo”, como fez em janeiro deste ano. 

“Qualquer controle que o Sr. Trump tenha exercido sobre a conta, empalideceu em comparação com a autoridade do Twitter, ditada em seus termos de serviço, para remover a conta ‘a qualquer momento por qualquer ou nenhum motivo’”, escreveu Thomas.

A Suprema Corte determinou que o tribunal arquive o caso agora que Trump não é mais presidente. Essa ação impede que a decisão do tribunal federal de apelações sirva de precedente para casos futuros.

“As plataformas digitais de hoje fornecem caminhos para quantidades de discurso sem precedentes históricos, incluindo o discurso de atores do governo [políticos]. Também sem precedentes, no entanto, é o controle de discurso nas mãos de algumas partes privadas”, disse Thomas em seus comentários. 

“Em breve não teremos escolha a não ser abordar como nossas doutrinas jurídicas se aplicam a infraestruturas de informações privadas altamente concentradas, como plataformas digitais”, acrescentou.

Para Clarence Thomas, as plataformas de tecnologia deveriam ser regulamentadas como “serviços públicos”, o que implicaria uma grande mudança para serviços como Facebook, Google e Twitter.

O juiz compara as redes sociais com meios de transporte e com a telefonia, dizendo que existe interesse público em não discriminar o que é transportado. Na telefonia, por exemplo, existe o transporte de informação.

“Existe um argumento justo de que algumas plataformas digitais são semelhantes a transportadoras ou lugares de alojamento para serem regulamentadas desta maneira [como espaços públicos]”, escreveu o magistrado.

Thomas ainda considera se as empresas de mídia social deveriam continuar recebendo proteção legal do governo conforme prevê a Seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações ,e lamenta que o caso em questão não permita que o tribunal trate o assunto por completo.

“Como o Twitter deixou claro, o direito de interromper discursos é forte nas mãos das plataformas digitais privadas. Até que ponto esse poder é importante para os fins da Primeira Emenda e até que ponto esse poder poderia ser legalmente modificado, levantam questões interessantes e importantes. Esta petição, infelizmente, não nos dá oportunidade de confrontá-los”, concluiu Thomas.

Pelas leis dos EUA, os autores de publicações podem ser responsabilizados por qualquer conteúdo que postem, mas as plataformas de mídia social e empresas de tecnologia são protegidas pela Seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações, que fornece proteções gerais de responsabilidade de conteúdo gerado por terceiros.

Com informações da CNBC

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: