fbpx

Lewandowski dá 72 horas para Anvisa prestar informações sobre análise da Sputnik



O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, determinou nesta quarta-feira (20) que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) envie informações sobre um pedido de uso emergencial da Sputnik V.

A vacina contra a Covid-19 está sendo desenvolvida pela Rússia. No Brasil a farmacêutica União Química é quem tem a parceria com o Fundo Soberano da Federação da Rússia para o recebimento do imunizante.

Em sua decisão o ministro deu o prazo de 72 horas para que a Anvisa preste esclarecimentos sobre um suposto pedido de uso emergencial que possa ter recebido.

As informações vão ajudar Lewandowski a decidir sobre um pedido do governador da Bahia, Rui Costa (PT), que quer autorização para importar e distribuir vacinas mesmo antes da aprovação da Anvisa, desde que os imunizantes já tenham aval de autoridade sanitária estrangeira ou da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

O governo da Bahia argumentou que a Sputnik V já foi aprovada e está sendo utilizada em alguns países como a Argentina, Bolívia, Paraguai e Venezuela.

“Considerada a afirmação do autor, feita na petição inicial, de que já foi requerida a autorização temporária para uso emergencial da vacina Sputnik V, informe, preliminarmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, no prazo de até 72 (setenta e duas) horas, se confirma tal afirmação e, em caso positivo, esclareça qual o estágio em que se encontra a aprovação do referido imunizante, bem assim eventuais pendências a serem cumpridas pelo interessado”, escreveu Lewandowski em seu despacho.

No último dia 15 de janeiro a União Química anunciou que havia entrado com o pedido de uso temporário emergencial da vacina Sputnik V.

Segundo a Agência Brasil, o pedido da Bahia foi protocolado em seguida às notícias de que a Anvisa recusou um pedido de uso emergencial da Sputnik V.

Na última segunda-feira (18), no entanto, o Fundo de Investimento Direto da Rússia divulgou uma nota negando que tenha havido a recusa da Anvisa.

Há informações de que o Presidente da farmacêutica da União Química, Fernando de Castro Marques, deve ter uma reunião com representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, nesta quinta-feira (21), para tratar do trâmite para aprovação do uso emergencial.

Com informações: Agência Brasil e jornal Estado de Minas.

Sobre o Colunista

Bruna Lima

Bruna Lima

1 Comentário

Clique aqui para comentar

  • Lewandowski – o lucífer do STF que não respeita a constituição…e muito menos entende de Anvisa e de saúde….nos poupe seu verme velho energúmeno.

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: