fbpx

O ativismo judicial do STF prejudica a B3



 

Por mais que a mídia tradicional queira esconder, ações individuais e coletivas dos ministros do Supremo Tribunal Federal têm gerado impactos significativamente negativos para o mercado.

Sem dúvida, a lentidão das reformas e a crise política no parlamento são mais visíveis e comuns ao comentar-se fatores como a queda do índice Ibovespa e a subida do dólar, por exemplo. Contudo, há componentes ocultos na base de avaliação de risco do país que falta coragem para explicitar.

O mercado é movido pela realidade, o dia a dia da vida comum e pelas expectativas. O que esperar de um país onde ministros do STF podem, por conveniência política e não jurídica, ter a eles ser submetidas decisões e eles próprios atuarem em temas que vão desde atos administrativos simples do Poder Executivo até matéria exclusiva do Poder Legislativo, como por exemplo, o voto impresso auditável?

O mercado no mundo inteiro, e no Brasil não é diferente, precifica de riscos específicos e de toda a sorte, e sublinho que o risco Supremo está a custar a confiança de investidores internos e externos.

Sobre o Colunista

Carlos Dias

Analista político. Especialista em Política e Estratégia pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra. Escritor, Jornalista e Filósofo independente. Membro Honorário da Academia Brasileira de Filosofia. Membro do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos - CEBRES.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: