fbpx

Onyx Lorenzoni critica silêncio de Macron sobre incêndios na Austrália e ressalta “Aqui, nenhuma morte a lamentar”



O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, falou em suas redes sociais sobre os incêndios da Austrália, considerados os piores das últimas décadas. Mais de três milhões de hectares já foram queimados desde setembro.

Lorenzoni falou sobre fake news capitaneadas com as queimadas na Amazônia.‌‌ “Aqui nenhuma morte a lamentar, as queimadas foram controladas pelo Exército Brasilieiro, por inédita GLO Ambiental decretada por BOLSONARO”, escreveu no Twitter.

Nesta quarta-feira (1º) três pessoas morreram em decorrência dos incêndios. O comissário adjunto da Polícia de Nova Gales do Sul, Gary Worboys, informou em coletiva de imprensa que uma pessoa ainda estava desaparecida.

Para o ministro, o silêncio e Emmanuel Macron, presidente da França, é “prova de que nunca se tratou de preservação ambiental, e sim de ideologia e mentiras” e acrescentou que Macron e “os verdes” atacaram o Brasil com fake news “apenas porque o Presidente é Jair Bolsonaro, o líder que não se dobra à agenda esquerdista”.‌‌

Na Austrália, cerca de 50 mil casas estão sem eletricidade na costa sul do estado de Victoria, o mais afetado pelos incêndios e onde cerca de 2,5 mil agentes combatem mais de uma centena de fogos.

O país autorizou nesta quinta-feira (2)  a retirada forçada de moradores dos estados mais devastados pelos incêndios. Os serviços meteorológicos alertam para um novo pico de calor no sábado.

A chefe do governo estadual de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian, declarou estado de emergência com duração de sete dias para permitir a retirada forçada de pessoas a partir de sexta-feira.

Vários incêndios descontrolados devastaram o sudeste do país na véspera do Ano Novo, matando oito pessoas. Foi o dia com maior número de mortes desde o início da crise.

Desde setembro, os incêndios na Austrália já provocaram a morte de pelo menos 16 ou 18 pessoas, mas o balanço poderá subir, já que as autoridades de Victoria avisaram hoje que há 17 pessoas desaparecidas naquele estado.

Mais de 400 casas foram destruídas nos últimos dias, número que deverá aumentar à medida que os bombeiros conseguem chegar às aldeias mais remotas.

Dois navios chegaram hoje de manhã à cidade costeira de Mallacoota, onde as pessoas estão, desde terça-feira, refugiadas na praia para fugir das chamas que atingiram a cidade.

Em um primeiro momento, deverão ser retiradas até 4 mil pessoas, mas as operações podem durar várias semanas, segundo as autoridades.

Desde o início da temporada de incêndios, mais de 1,3 mil casas foram reduzidas a cinzas e 5,5 milhões de hectares foram destruídos, o que representa uma área maior que a de um país como a Dinamarca ou a Holanda.

A crise provocou protestos para exigir do governo medidas imediatas contra o aquecimento global. Cientistas dizem ser esta a causa destes incêndios.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, que renovou recentemente o seu apoio à indústria de carvão australiana, tem sido amplamente criticado.

Sobre o Colunista

Bruna de Pieri

3 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Implacável, perfeito o comentário do Ministro referente a hipocrisia esquerdista que não está se importando com o nosso país, Macrom é um blefe, a casa dele tá caindo e ainda vai desmoronar mais…

  • Macrom não estáva preocupado com a Amazônia e sim em tirar o foco de sua incompetência na direção da França, seu índice de reprovação entre os franceses está cada vez mais alto. Não é capaz de guiar seu próprio país e quer dar pitaco nos países dos outros.

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: