fbpx

Paulo Guedes desarma plano de Doria e Maia para derrubar presidente Bolsonaro

paulo guedes rodrigo maia


O Ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou o que o jornal Terça Livre já havia previsto. Em 2020 houve um plano orquestrado pelo Presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) e pelo Governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para conseguir o impeachment do Presidente Jair Messias Bolsonaro.

Segundo o Ministro, outros governadores e pessoas da justiça também estavam ligados a essa articulação, o que levou Guedes a ligar para todos os Ministros do Supremo Tribunal Federal a fim de dissolver o ardiloso plano de impeachment.

O Ministro contou ainda que João Doria, em telefonema, recomendou-lhe sair do governo e “salvar” sua biografia porque o governo não duraria mais de 60 dias.

“Houve sim um movimento para desestabilizar o governo. Não é mais ou menos não, tinha cronograma. Em sessenta dias iriam fazer o impeachment. Tinha gente da Justiça, tinha o Rodrigo Maia, tinha governadores envolvidos. O Doria ligou para mim e disse assim: ‘Paulo, é a chance de salvar a sua biografia. Esse governo não vai durar mais de sessenta dias. Faz um favor? Se salva’”, recomendou João Doria quando ligou ao Ministro Guedes.

Paulo Guedes acrescentou que a demissão do ex-Ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi uma tentativa de apaziguar as tensões políticas decorridas do vídeo da reunião ministerial de (22/04) e pacificar as relações do Executivo com o STF.

“Liguei para cada um dos ministros do Supremo para tentar entender o que estava acontecendo. Conseguimos desmontar o conflito ouvindo cada um deles. O ministro Gilmar Mendes, por exemplo, sugeriu que o governo deveria dar um sinal, caso estivesse realmente interessado em pacificar as relações. A demissão do Weintraub foi uma sinalização. Liguei também para o ministro Barroso e para o ministro Fux”.

Ainda nesta entrevista à Veja, Guedes contou que, após manifestação do Supremo para apreender os telefones do Presidente, Weintraub quase desistiu das conciliações e pensou em organizar uma passeata para colocar o Supremo no seu lugar, antes de ser preso.

O Ministro interferiu nesta situação e sugeriu que o Presidente mandasse Weintraub para o Banco Mundial.

“Disse que estávamos caindo numa armadilha, que o script já estava montado, que aquilo era inapropriado. Os generais presentes me apoiaram. Sugeri ao presidente mandar o Weintraub para o Banco Mundial, em junho. A partir daí, as coisas se acalmaram entre o governo e o STF”, revelou o Ministro.

 

Sobre o Colunista

Bruna Medeiros Uaqui

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: