fbpx

PF indicia Renan Calheiros em investigação sobre corrupção

Edilson Rodrigues/Agência Senado


 

A Polícia Federal (PF) enviou nesta sexta-feira (02) ao Supremo Tribunal Federal (STF) um relatório indiciando o senador Renan Calheiros (MDB-AL) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

De acordo com a PF, a acusação é de quando Calheiros era presidente do Congresso Nacional.

O senador teria recebido cerca de R$ 1 milhão da Odebrecht, para apoiá-la em um projeto no Senado.

Renan Calheiros, que é o atual relator da CPI da Pandemia, nega ter recebido os pagamentos e acusa o governo Bolsonaro de agir em retaliação a seu trabalho na Comissão.

Segundo o senador, a acusação de 2012 não possui provas. Sua defesa argumenta ainda que “jamais foi encontrado qualquer indício de ilicitude”.

“Essa investigação está aberta desde março de 2017 e, como não encontraram prova alguma, pediram prorrogação. Estou surpreso que justamente agora, quando a CPI mostra todas as digitais do governo na corrupção da vacina, a parte politizada da Gestapo enxerga indícios em uma acusação sem prova referente a 2012. Mas não irei me intimidar. Os culpados pelas mortes, pelo atraso das vacinas, pela cloroquina e pela propina irão pagar”, afirmou Calheiros.

O relatório deverá ser encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR), que decidirá sobre a apresentação ou não de denúncia contra o parlamentar.

A PF, no entanto, aponta no documento a existência de “indícios suficientes de autoria e materialidade” contra o senador.

A prova envolve a aprovação, no Senado Federal, de um projeto de resolução sobre alíquota de ICMS. Em resposta à aprovação, teria sido paga uma propina em dinheiro vivo a um operador ligado a Renan Calheiros.

Informações divulgadas pelo Jornal O Globo apontam que as denúncias são baseadas em registros do sistema de pagamentos de propina da Odebrecht.

O codinome atribuído nesta planilha ao repasse a Calheiros seria “Justiça”.

Esse inquérito que investiga as ações foi aberto em março de 2017, com base na delação da Odebrecht.

“Durante o inquérito identificou-se que o pagamento de R$ 1.000.000,00 ocorreu em contrapartida pelo apoio político fornecido para a aprovação ao Projeto de Resolução do Senado n. 72/2010, convertido na Resolução do Senado Federal n. 13/2012, o qual beneficiou o Grupo Odebrecht,  e especialmente a Braskem SA, na medida em que limitou a capacidade dos Estados para concessão de benefícios fiscais a produtos importados, evitando a continuidade da ‘Guerra dos Portos'”, afirmou o delegado Vinicius Venturini, do Serviço de Inquéritos (Sinq) da Polícia Federal.

Em depoimento à Polícia Federal, Renan Calheiros afirmou ter apoiado o projeto, mas negou ter recebido “recursos indevidos no contexto da aprovação.”

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: