fbpx

Porta-voz pede que China faça plano de ataque à Austrália



O jornal The Global Times, que possui ligações com o Partido Comunista da China (PCCh), na última sexta-feira (7), publicou uma matéria pedindo que o país comunista planeje ataques com mísseis contra a Austrália, caso o país decida se juntar aos Estados Unidos para ajudar Taiwan.

Com o título “China precisa fazer um plano para deter forças extremas da Austrália”, Hu Xijin, editor-chefe do jornal, sugere que o país comunista “faça um plano para impor uma punição retaliatória contra a Austrália, uma vez que interfere militarmente na situação [no Estreito de Taiwan].” 

“O plano deve incluir ataques de longo alcance às instalações militares e instalações importantes em solo australiano, se realmente enviar suas tropas para as áreas offshore da China e combates contra o Exército de Libertação do Povo.

“A China tem uma forte capacidade de produção, incluindo a produção de mísseis de longo alcance adicionais com ogivas convencionais que visam objetivos militares na Austrália quando a situação se torna altamente tensa. Além de fazer o plano, a China também deve divulgar esse plano por meio de canais não oficiais para deter as forças extremas da Austrália e impedi-las de assumir o risco e cometer ações irresponsáveis”, escreveu o jornal.

O artigo foi publicado depois que o PCCh “suspendeu indefinidamente” as negociações econômicas com a Austrália na última semana. 

Ainda no mês passado, Mike Pezzullo, secretário de Assuntos Internos da Austrália, emitiu um importante comunicado no qual alerta o país australiano a ser forte e preparado, dizendo que os “tambores da guerra” estavam batendo na região.

“Hoje, as nações livres ainda enfrentam este doloroso desafio. Em um mundo de tensão e pavor perpétuos, os tambores da guerra batiam – às vezes fracamente e distantemente, e outras vezes mais alto e cada vez mais perto”, escreveu Pezzullo.

“A guerra pode muito bem ser uma loucura, mas a maior loucura é desejar afastar a maldição, recusando-se a pensar e dar atenção a ela, como se, ao fazê-lo, a guerra pudesse nos deixar em paz, talvez nos esquecendo”, concluiu o secretário de Assuntos Internos da Austrália.

O analista político Paulo Figueiredo, durante o programa Radar da Mídia dessa segunda-feira (10), também analisou a possível ação envolvendo os dois países.

“A situação entre Austrália e China é de pré-conflito, a China continua cada vez mais testando as águas – quase que literalmente – nas relações com os EUA, porque quem protege o mundo da China são os EUA”, apontou Paulo Figueiredo.

“Quando se publica uma coisa dessas, é para observar qual será a reação, a repercussão, se será forte ou não, como os países reagirão, como o governo da Austrália, que está desesperado por não estar preparado militarmente, reagirá. Porque o único país que pode defender o mundo da China, são os EUA”, concluiu o analista político.

Assista aos comentários da notícia:

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: