fbpx

Postagens de Barroso sobre LGBTs são alvo de críticas na internet

Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil


 

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi alvo de críticas na internet após fazer uma série de postagens sobre o “Dia do Orgulho LGBT” nessa segunda-feira (28). As falas não pegaram bem, já que internautas lembraram vínculos do ministro com o médium João de Deus, preso por abuso sexual.

A polêmica ocorreu depois que o ministro publicou no Twitter um artigo intitulado “Direitos LGBTI+ e uniões homoafetivas”.

No texto, Barroso diz acreditar que “o que vale a vida são nossos afetos” e que “impedir uma pessoa de colocar o seu amor e a sua sexualidade onde mora o seu desejo é privá-la de uma dimensão essencial da sua existência”  e também destacou o poder dessa “energia” no universo.

Alguns internautas questionaram se privar pessoas como João de Deus de seus afetos, na visão do ministro, seria algo tão desumano e indefensável.

O analista político Italo Lorenzon, durante o Boletim da Manhã de terça-feira (29), afirmou que os homossexuais não se utilizam do argumento de privacidade, mas usam a descriminalização do ato como “navio de quebra-gelo”, para outras coisas.

“Você usa argumentos em defesa dos homossexuais que valem também para falar dos pedófilos, dos abusadores, dos necrófilos, dos incestuosos, e assim por diante. Os mesmos argumentos. Não é à toa”, destacou o analista político. 

Assista aos comentários da notícia:

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: