fbpx

Professor de Instituto dos EUA é preso por fraudar documentos para a China



O Departamento de Justiça dos Estados Unidos divulgou nesta quarta-feira (14) que um professor e pesquisador do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) foi acusado e preso por não divulgar contratos, nomeações e prêmios de várias entidades na República Popular da China (RPC) para o Departamento de Energia dos EUA.

Gang Chen, de 56 anos, foi acusado por meio de queixa criminal de fraude eletrônica.

A denúncia aponta que Chen deixou de registrar um relatório de conta bancária estrangeira (FBAR) e também fez ao menos uma declaração falsa de imposto de renda.

O pesquisador terá que se apresentar o hoje ao tribunal perante o juiz Donald L. Cabell.

De acordo com documentos de cobrança, Chen é um cidadão naturalizado americano que nasceu na China.

No Instituto, ele atua como Diretor do Laboratório de Micro / Nanoengenharia do MIT Pappalardo e Diretor do Centro de Conversão de Energia Térmica Solar de Estado Sólido (S 3 TEC).

O site oficial do Departamento de Justiça e Ministério Público dos EUA do Distrito de Massachusetts informou que desde aproximadamente 2010 a pesquisa de Chen no MIT foi financiada por mais de US $19 milhões em doações concedidas por várias agências federais dos EUA.

A partir de 2012, o professor supostamente teve várias nomeações ligadas ã China e destinadas a promover o desenvolvimento tecnológico e científico da RPC, fornecendo consultoria e experiência – às vezes diretamente para funcionários do governo chinês – e muitas vezes em troca de compensação financeira.

Os serviços incluíram a atuação como um “especialista estrangeiro” do governo da China a pedido do Consulado da RPC em Nova York e servir como membro de pelo menos dois Programas de Talentos chineses.

Chen supostamente recebeu, a partir de 2013, aproximadamente US $29 milhões em financiamento estrangeiro, incluindo US $19 milhões da Southern University of Science and Technology (SUSTech) da República Popular da China.

Alega-se ainda que os esforços de Chen para promover o desenvolvimento científico e econômico da RPC foram parcialmente detalhados em um e-mail de fevereiro de 2016 que o professor enviou a si mesmo usando sua conta de endereço eletrônico do MIT. O texto pontuava algumas ações como ‘promover a colaboração chinesa em tecnologias e inovações cientificas’.

De pelo menos 2017 a 2019, quando o professor e pesquisador estava servindo em várias funções de consultoria para entidades da RPC, ele solicitou e obteve uma bolsa do Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE) para financiar uma parte de sua pesquisa no MIT. Ao fazê-lo, alega-se que Chen não divulgou informações sobre suas afiliações em andamento com a RPC, conforme exigido pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE).

Chen supostamente também deixou de divulgar ao Internal Revenue Servic (IRS) em sua declaração de impostos de 2018 que mantinha uma conta bancária na China com mais de US $10.000.

A acusação de fraude eletrônica prevê pena de até 20 anos de prisão, três anos de libertação supervisionada e multa de até US $250.000. Já a acusação de fazer declarações falsas prevê uma pena de até cinco anos de prisão, três anos de libertação supervisionada e uma multa de $250.000. E a acusação de não apresentação de um relatório de conta bancária estrangeira (FBAR) prevê uma pena de até cinco anos de prisão, três anos de liberdade supervisionada e uma multa de US $250.000.

As sentenças são impostas por um juiz do tribunal distrital federal com base nas Diretrizes de Sentenciamento dos EUA e outros fatores do estado.

Diversas autoridades ligadas ao departamento de justiça dos Estados Unidos fizeram o anúncio da investigação hoje.

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: