fbpx

‘Ramos faz de tudo para minar a autoridade do presidente Bolsonaro’, diz Italo Lorenzon



O ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, disse que se vacinou com a dose de Oxford/AstraZeneca. A declaração foi feita nesta terça-feira (27), durante reunião do Conselho de Saúde Suplementar (Consu).

Questionado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, se a vacina recebida não foi a CoronaVac, Ramos assegurou que não. O titular da Casa Civil afirma ainda ter se vacinado “escondido”.

“Tomei, foi em Brasília, ali no Shopping Iguatemi. Tomei escondido porque a orientação era para todo mundo ir para casa, mas vazou. Mas tomei mesmo, não tenho vergonha não. Eu tomei e vou ser sincero porque eu, como qualquer ser humano, eu quero viver. Eu tenho dois netos maravilhosos, eu tenho uma mulher linda, eu tenho sonhos ainda. Então, eu quero viver, pô. E se a ciência, a medicina, fala que é a vacina — né Guedes? —, quem sou eu para me contrapor?”.

O ministro diz ainda que tenta fazer o presidente Jair Bolsonaro se vacinar. “Estou envolvido pessoalmente, tentando convencer o nosso presidente, independente de todos os posicionamentos. E nós não podemos perder o presidente para um vírus desse. A vida dele no momento corre risco. Ele tem 65 anos”.

Após a repercussão, Ramos usou o Twitter para se defender. “Como tomei vacina escondido se saiu na imprensa? Pessoal leva furo e tenta inventar crise onde não existe. Fui vacinado como mais de 38 milhões de brasileiros, apenas não quis fazer desse momento individual um ato político”, declarou.

Ao analisar o assunto durante o Boletim da Manhã desta quarta (28), Italo Lorenzon criticou a postura do chefe da Casa Civil.

“Ele faz de tudo para minar a autoridade do presidente, faz de tudo para minar as articulações do presidente, para que ele pareça um inepto, frase após frase, ação após ação”, declarou.

“Toda a base aliada do presidente fala mal do Ramos, fala que ele é quem está abrindo as pernas para o Centrão. O principal responsável dessa ‘venda’ para o Centrão é o Ramos”, acrescentou o analista político do Terça Livre.

Ainda de acordo com Lorenzon, a responsabilidade do presidente Jair Bolsonaro sobre as ações de Luiz Ramos aumenta à medida que o ministro é mantido no governo.

“Bolsonaro tem responsabilidade sim sobre o que o Ramos está fazendo, em larga escala, mas ele não é totalmente responsável pelo que o Ramos faz. Muita coisa que Ramos faz é por conta própria, mas a responsabilidade do presidente vai aumentando à medida que ele vai permitindo que aquilo aconteça reiteradamente”, pontuou.

Assista à íntegra do comentário

Colunistas

Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: