fbpx

Russos invadem e-mail pessoal de importante líder britânico para obter dossiê comercial de EUA-Reino Unido

Russia


Uma conta de e-mail pessoal pertencente a Liam Fox, o ex-ministro do Comércio Internacional britânico, foi invadida várias vezes por russos que roubaram documentos confidenciais relacionados às negociações comerciais entre EUA e Reino Unido.

As violações de segurança no ano passado, que estão sujeitas a uma investigação policial em andamento, colocam sérias questões para o parlamentar conservador, que atualmente é o candidato do Reino Unido para se tornar diretor geral da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Fontes de Whitehall indicaram que os documentos foram hackeados de uma conta pessoal, em vez de parlamentar ou ministerial, levando o Labor a perguntar por que Fox estava usando e-mails pessoais não codificados para negócios do governo.

Um porta-voz do ex-ministro se recusou a comentar e, mais tarde, enfatizou que o Gabinete não havia confirmado publicamente qual conta foi hackeada. Downing Street e o Gabinete disseram que era inapropriado comentar ainda mais, uma vez que as investigações criminais continuavam.

Os documentos roubados – um dossiê de 451 páginas de e-mails – acabaram nas mãos de Jeremy Corbyn, líder do Partido dos Trabalhadores britânico, durante a campanha eleitoral do inverno passado, depois que os russos tentaram divulgar o material on-line. Eles foram postados na plataforma de mídia social Reddit e levados ao conhecimento da equipe do então líder do partido.

Os detalhes do direcionamento dos e-mails de Fox pela Rússia foram revelados pela Reuters, que informou que a conta foi acessada várias vezes entre 12 de julho e 21 de outubro do ano passado. Não ficou claro se os documentos foram obtidos quando Fox ainda era secretário de Comércio. Ele foi derrubado por Boris Johnson em 24 de julho.

Um porta-voz do Gabinete disse: “Há uma investigação criminal em andamento sobre como os documentos foram adquiridos, e seria inapropriado comentar mais neste momento. Mas, como seria de esperar, o governo possui um sistema robusto para proteger os sistemas de TI de funcionários”.

Liam Fox, ex-secretário de Comércio do Reino Unido, é apenas o último de uma longa fila de vítimas aparentemente enganadas pelo GRU, a agência de inteligência militar da Rússia. Nas últimas duas décadas, os espiões da GRU roubaram informações de vários alvos em todo o mundo.

Não está claro quem mais Moscou pode ter alvejado. Dada a abordagem oportunista da GRU, é certo que e-mails semelhantes serão enviados aos outros ministros do gabinete, juntamente com seus funcionários e escritórios particulares.

O método de hackers favorito da GRU é bruto, mas eficaz. Envolve enviar e-mails de phishing para destinatários. Os e-mails parecem provenientes de uma fonte confiável. Normalmente, eles pedem ao destinatário para clicar em um link ou alterar uma senha. Quem se deixa enganar pelo estratagema efetivamente entrega suas caixas de entrada para os agentes russos.

A suspeita é de que Fox fez exatamente isso, usando seu e-mail pessoal ou oficial.

Mas os hackers de Moscou também já sofreram problemas. Em abril de 2018, quatro agentes da GRU voaram para Haia, na Holanda. Eles tiveram como alvo os escritórios da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW). Sua aparente missão era roubar informações que poderiam ajudar Moscou em duas tentativas de assassinatos, de Sergei e Yulia Skripal, da GRU.

O serviço de inteligência de defesa holandês acompanhou o grupo. Eles os prenderam quando estacionaram o veículo Citroën alugado do lado de fora do escritório da OPCW . Descobriu-se que o carro havia sido convertido em uma unidade móvel de hackers. Os holandeses recuperaram um transformador, um laptop conectado a um roteador, um smartphone e  dinheiro – US $ 20.000 e € 20.000. Seus equipamentos foram apreendidos e os agentes foram deportados.

O promotor especial dos EUA, Robert Mueller, subsequentemente acusou 12 dos espiões da GRU por crimes cibernéticos. Os hackers registraram um número impressionante de milhas aéreas. Eles visitaram o Rio durante os Jogos Olímpicos de 2016 como parte de uma grande operação para desacreditar a agência mundial antidoping e outros órgãos esportivos internacionais. Eles até foram para a Malásia, invadindo a força policial local após o abate, em 2014, da Malaysian Airlines MH17, no leste da Ucrânia.

Fonte: The Guardian

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: