fbpx

Senador americano critica Twitter por publicação de líder chinês



Após o Twitter não censurar uma imagem forjada, publicada pelo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lijian Zhao, o senador americano Marco Rubio criticou a aparente medida de dois pesos e duas medidas da Big Tech americana. Rudio, em nota, exige respostas do Twitter.

Lijian Zhao publicou a imagem falsa, mostrando um soldado australiano ameaçando uma criança com uma faca na garganta, na segunda-feira (30/12). Zhao usou a imagem para acusar soldados australianos de “assassinar civis afegãos.”

Desde então, a imagem atraiu protestos na Austrália. O primeiro-ministro Scott Morrison exigiu um pedido de desculpas de Zhao, dizendo que foi uma “calúnia terrível” para os soldados australianos. O governo australiano também tentou contactar o Twitter para remover a imagem.

Na terça-feira (1/12), o Twitter rejeitou o pedido de remoção da Austrália, mas marcou o tuíte de Zhao como “sensível”. O gigante da mídia social disse que comentários sobre questões políticas ou “discussões sobre política externa” por contas oficiais do governo geralmente não violam suas regras, de acordo com um relatório da AFP.

Também na terça, Rubio enviou uma carta a Jack Dorsey, CEO do Twitter, questionando a decisão da plataforma.

“Parece que o Twitter tomou uma decisão intencional de não remover o tweet ou mesmo emitir uma etiqueta de advertência. Sabemos que sua empresa tem a capacidade de se mover rapidamente, pois frequentemente emitia rótulos de advertência em tuítes de americanos proeminentes durante a eleição – às vezes, minutos após o envio de um tuíte”, escreveu Rubio.

Rubio então pediu a Dorsey que respondesse a várias perguntas: “O Twitter fez uma revisão do tweet? Em caso afirmativo, qual foi a natureza dessa revisão e por que nenhuma ação foi tomada como resultado? Se não, por que o tweet não foi sujeito a revisão?”

“Você defende o processo e a decisão? Se não, que medidas foram tomadas para evitar tais erros no futuro?”, perguntou Rubio.

Por fim, Rubio pediu a Dorsey que comentasse se o Twitter “deseja operar na China no futuro” e, em caso afirmativo, “já teve alguma conversa com autoridades ou entidades relevantes na China?”

“É ultrajante que, quando o presidente dos Estados Unidos tuíta sobre o envio da guarda nacional para proteger as cidades de saqueadores, o Twitter imediatamente age para silenciá-lo por ‘violação dos termos'”. disse Rubio.

E acrescentou: “Mas, quando um funcionário do governo chinês ou o aiatolá Khamenei faz ameaças, é preciso um senador dos EUA e uma campanha pública para levantar a voz para que a empresa faça algo”.

“Rotular esta imagem forjada, que foi publicada por um burocrata do Partido Comunista da China, como ‘conteúdo potencialmente sensível’ é um absurdo. Ou o Twitter tem um duplo padrão com os conservadores, ou tem medo do governo chinês e do partido comunista. Na verdade, provavelmente são os dois. A isenção do artigo 230 do Twitter tem os dias contados”, finalizou o senador Rubio.

 

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: