fbpx

Senadores americanos podem salvar os EUA da fraude eleitoral



Um grupo de senadores republicanos, liderados pelo senador Ted Cruz, anunciou neste sábado (2/1) que fará objeções à certificação dos resultados das eleições presidenciais no próximo dia 6 de janeiro. A iniciativa não seria necessária, se houvesse uma auditoria de emergência dos resultados por uma comissão eleitoral.

Cruz e os outros senadores afirmam que a eleição de 3 de novembro “apresentou alegações sem precedentes de fraude eleitoral e conduta ilegal”.

Os senadores em exercício e os senadores eleitos estão convocando o Congresso a nomear uma comissão para conduzir uma auditoria de emergência de 10 dias dos resultados eleitorais nos estados onde os resultados são contestados. Eles citam como precedente a corrida de 1877 entre Samuel Tilden e Rutherford Hayes, na qual houve alegações de fraude em vários estados.

“Em 1877, o Congresso não ignorou essas alegações, nem a mídia simplesmente descartou aqueles que as acusavam de radicais tentando minar a democracia”, disseram os legisladores no comunicado. “Em vez disso, o Congresso nomeou uma Comissão Eleitoral – consistindo de cinco senadores, cinco membros da Câmara e cinco juízes da Suprema Corte – para considerar e resolver os retornos disputados”.

“Devemos seguir esse precedente. A saber, o Congresso deve nomear imediatamente uma Comissão Eleitoral, com plena autoridade investigativa e de apuração de fatos, para realizar uma auditoria de emergência de 10 dias aos resultados eleitorais nos estados em disputa”, diz o comunicado. “Depois de concluída, os estados, de forma individual, iriam avaliar as conclusões da Comissão e poderão convocar uma sessão legislativa especial para certificar uma mudança em seu voto, se necessário.”

Se isso não acontecer, os senadores pretendem votar contra a certificação. Se o grupo de senadores republicanos se opuser, junto com um esforço semelhante dos republicanos da Câmara, a sessão conjunta do Congresso será dissolvida, e a Câmara e o Senado se reunirão separadamente para debater os votos eleitorais de qualquer estado contestado.

Posteriormente, cada corpo votaria se aceitaria ou rejeitaria quaisquer votos contestados. Em seguida, a Câmara e o Senado convocariam novamente a sessão conjunta.

Sobre o Colunista

Brehnno Galgane

Graduando em Filosofia pela PUC-Rio, Católico e cultivador de uma narrativa que tenha sentido segundo a forma humana.

Comente

Clique aqui para comentar

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: