fbpx
© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência brasil

Velha mídia já foi mais rentável e não foi alvo do TSE ou do STF



Diversos sites da Velha Mídia, publicaram nesta sexta-feira (20) um levantamento de que mais de 10 canais conservadores teriam um ganho de R$ 15 milhões por meio do Youtube.

Os “ganhos” que os jornais tentam emplacar como lucro ilícito, é fruto do trabalho de jornalistas que buscam falar a verdade, que a velha mídia esconde.

Na última segunda-feira (16), o corregedor-geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Felipe Salomão, determinou o bloqueio da monetização de canais alinhados a direita, o que incluiu o Terça Livre TV.

Nota à imprensa.

Segundo o Estadão, no YouTube, os 14 canais atingidos pelo despacho do TSE podem gerar até U$ 2,9 milhões, por ano em receitas e JUNTOS poderiam chegar a cerca de R$ 15 milhões.

As reportagens usam uma mistura dos valores em dólares e em reais e acabam confundindo os leitores.

Os dados com prováveis valores recebidos pelos canais usados nas matérias são da Social Blade, ferramenta que gera estatísticas sobre redes sociais, de acordo com o Estadão.

Apesar de admitir que “O volume de acesso e de interações, as propagandas que aparecem nos vídeos e doações espontâneas de internautas se convertem em dinheiro.”, o jornal classifica os canais independentes como exploradores de “informações falsas ou tiradas do contexto”, sem no entanto, apresentar provas das supostas fake news.

O Estadão afirma que o lícito recebimento de doações dos espectadores são o “mercado nebuloso que o TSE busca combater.”

TSE quer proibir monetização de canais que falam de política em época de eleição.

Conforme o Terça Livre já noticiou, em outras épocas, canais de esquerda já foram mais rentáveis e isso nunca foi questionado e nem taxado como patrocínio a “blogues antidemocráticos”.

Dados levantados pelo Terça Livre no ano passado, revelaram o recebimento milionário de jornais de esquerda.

Os canais, ao invés de receberem de forma indireta os valores, por meio do Google Ads, recebiam do próprio governo valores exorbitantes, o que nunca foi motivo de espanto a quem hoje se dedica a perseguir jornais conservadores.

Dados do antigo Instituto para o Acompanhamento da Publicidade (IAP) mostraram que, em quase 15 anos a Revista Fórum recebeu o total de R$ 4.201.695,24. As verbas eram destinadas tanto à revista física, hoje extinta, e ao portal de notícias na internet.

Já o Diário do Centro do Mundo (DCM) recebeu de 2013 a 2016, R$ 1 milhão, 408 mil, 079 reais e 70 centavos do governo.

O que provocou o espanto atual da velha mídia, foi a mudança no modelo de publicidade do atual governo e o fato de muitos jornalistas conservadores não receberem dinheiro público, como é o caso do Terça Livre.

A matéria publicada pela velha mídia foi pauta do Boletim da Noite dessa sexta-feira (20) no Terça Livre.

Ao analisar a publicação, o jornalista Allan dos Santos lembrou que os dados dos jornais como o Estadão são “especulativos” e não são oficiais.

O correspondente internacional do TLTV também lembrou que diferente dos jornalistas independentes que recebem doações em suas transmissões, grandes empresas de jornalismo recebem dinheiro público. Allan dos Santos também recordou que essas emissoras e jornais não divulgam os dados que recebem dos Governos Federal, Estaduais e Municipais.

ASSISTA AOS COMENTÁRIOS NO BOLETIM DA NOITE DESSA SEXTA-FEIRA (20):

LEIA MAIS EM:
Mídias de esquerda já foram mais rentáveis em outros tempos.

 

 

Colunistas

avatar for Juliana GurgelJuliana Gurgel

Católica, produtora, doutora em artes da cena, professora e aikidoista.

avatar for Paulo FernandoPaulo Fernando

Advogado, professor de Direito Constitucional e Eleitoral para concu...

avatar for Polibio BragaPolibio Braga

Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em S...

Achou algum erro na matéria? Nos informe através do formulário abaixo: